webnovel

ONS: Grávida do Bebê do CEO

Jeanne tinha apenas 18 anos quando sua madrasta e meia-irmã a incriminaram e fizeram com que ela perdesse tudo. Ela foi expulsa de casa pelo pai por tentar resistir. 7 anos depois, Jeanne voltou em busca de vingança com um filho misterioso ao seu lado - George. As pessoas zombavam dela por ser mãe solteira e chamavam o filho dela de criança sem pai. “Quem você está chamando de criança sem pai? Você não vai gostar de me ver bravo,” ameaçou George. “Abaixe o facho, George! Não estrague a diversão! Eu ainda não me diverti o suficiente,” disse Jeanne, querendo aproveitar sua vingança, deixando o menino sem palavras. Jeanne conheceu mais tarde o famoso Quarto Mestre Swan em um baile de caridade. O homem de boa aparência e temperamento frio a chamou para um canto e disse: “Eu gosto de você.” Todos ficaram chocados, inclusive Jeanne. “Eu sou mãe solteira e tenho um filho. Tem certeza de que gosta de mim?” ela disse. “Eu na verdade... gosto do seu filho!” Todos ficaram chocados quando o Quarto Mestre Swan casou-se com Jeanne, mas apenas ele, astuto, sabia que havia conseguido não apenas um, mas dois, importantes jogadores para esse jogo de xadrez que ele estava jogando.

En's Cozy Haven · General
Not enough ratings
966 Chs

Expulso da Família Lawrence

Translator: 549690339

Chovia a cântaros na cidade de South Hampton. Até o céu escuro parecia que ia desabar sobre a cidade.

Havia uma mulher coberta de sangue desmaiada no salão da mansão da família Lawrence. 

Após a tragédia acontecer, todos saíram, deixando-a sozinha.

Ela estava agarrada ao seu último suspiro no chão.

As duras palavras de seu pai, seu pai biológico, ecoavam em seus ouvidos. 

"Jeanne, quem você pensa que é? Nossa família não tolera seu comportamento ultrajante! Se você não fosse tão próxima de Eden, eu a teria expulsado desta casa quando sua mãe morreu após dar à luz você!

"Eu, Alexander Lawrence, tenho apenas dois filhos, Jasmine e Joshua, e você, Jeanne, não é mais minha filha!

"Quem ousar ajudá-la ou levá-la ao hospital terá que passar por mim! Quero que essa garota aprenda as consequências de me desafiar!"

Jeanne deu um sorriso irônico. Sua meia-irmã havia roubado seu namorado e ainda saiu como culpada?

Ela olhou de esguelha para Jasmine. 

Jasmine se agachou bem na frente do seu rosto. Já não era mais a garota fofa e inocente. No lugar da inocência, havia um sorriso perverso. 

"Jeanne, como é a sensação de ser chicoteada pelo pai?"

Jeanne fechou os olhos. Ela não queria que a expressão repugnante de Jasmine fosse a última coisa que visse antes de morrer.

"Eu pensava que você era a filha dourada de nossa família, a princesa da prestigiosa família Lawrence. Eu pensava que você disse que Eden a amava? Mas você sabia que ele se importa mais comigo do que com você?"

Se Jeanne pudesse ficar em pé ou levantar uma mão, ela estrangularia Jasmine e a arrastaria consigo para o inferno.

"Jeanne, você é uma grande piada! A maior piada da alta sociedade. Perdeu seu noivo e ainda foi abandonada e isolada por todos... É melhor morrer", disse Jasmine com um sorriso irônico. 

Não, a vontade de Jeanne de sobreviver era forte, ela não poderia simplesmente morrer porque Jasmine lhe ordenou. Ela tinha que se manter viva, independente da situação, para que pudesse se vingar dessa família.

Jasmine avaliou os terríveis ferimentos de Jeanne e um sorriso cruel surgiu em seu rosto. Ela pegou um copo de água, misturou com um pouco de sal e espalhou a água salgada sobre as feridas do chicote.

"Argggh!" Jeanne gritou de dor.

Todo mundo na família Lawrence estava invisível no momento. Eles simplesmente assistiam à tortura com os braços cruzados e sorrisos abafados.

O grito de dor de Jeanne alimentava o entusiasmo de Jasmine.

"Eu pensava que você disse que queria entrar nas calças do Quarto Mestre Swan?" Jasmine zombou. 

A dor excruciante no corpo de Jeanne quase a fez desmaiar algumas vezes.

"O que houve? Você não conseguiu se aproximar o suficiente para dormir com ele?" Jasmine zombou. "Você realmente acha que seu rosto bonito pode te conseguir tudo o que você quer? Para mim, é um incômodo!"

Jasmine apertou os olhos ao tirar uma faca do bolso. 

Logo antes de ela poder cortar o rosto de Jeanne com a faca, a porta foi aberta com estrondo.

"Jeannie!"

A entrada repentina assustou Jasmine, que guardou a faca.

Monica entrou e viu Jeanne desmaiada no chão. Ela correu até ela enquanto as lágrimas rolavam pelo seu rosto sem parar. Ela não sabia como ajudar sua amiga a se levantar sem piorar os ferimentos.

"Jeannie, eu vou te levar ao hospital", disse Monica soluçando.

"Nem pense nisso!" Jasmine berrou.

Monica a encarou. 

"Meu pai disse que ninguém está autorizado a ajudá-la..."

Monica fingiu que não ouviu. Para ela, Jasmine não passava de uma bastarda. Ela veio aqui não para discutir com alguma bastarda, mas para ajudar sua amiga.

"Pare aí mesmo!" Alexander desceu do segundo andar.

"Eu vou levá-la para o hospital!" 

"Solte-a!" Alexander berrou.

"Você vai simplesmente deixá-la morrer aqui?" Monica gritou.

"Isso é um assunto da nossa família, e você é apenas uma estranha, Monica!"

"Qualquer pessoa com um pouco de sanidade pode ver que ela está morrendo! E mesmo sendo o pai dela, você decidiu ignorar e deixá-la morrer?" Monica gritou suas perguntas para Alexander enquanto suas lágrimas continuavam a escorrer pelo rosto.

"Isso não é da sua conta!"

"É sim! Ou Jeanne morrerá aqui mesmo, agora mesmo!" Monica então ajudou Jeanne a se levantar e quis tirá-la da casa.

Dois passos depois, Alexander lançou um olhar significativo aos seus empregados.

O grupo de empregados cercou as garotas e separou-as, arrastando Jeanne para longe de Monica.

Jeanne estava gravemente ferida e o arrasto agravou seu estado. Seu rosto estava inexpressivo e pálido como papel, e a dor se tornou tão intensa que anestesiava seus sentidos.

"Monica, se não fosse pela sua família, eu a teria expulsado à força!" Alexander berrou. Ele lançou outro olhar severo aos empregados e disse: "Levem aquela garota de volta ao quarto dela e acompanhem a senhorita Cardellini até a saída!"

"Não vire as costas para mim!" Monica gritou.

Alexander encarou a garota.

"Se eu não puder tirar Jeanne deste inferno hoje, morrerei aqui hoje com ela!" Monica ameaçou Alexander com sua própria vida, apenas para salvar sua amiga.

"Você terá que responder ao meu pai, então!"

Alexander reagiu amargamente às ameaças.

"EU ESTOU FALANDO SÉRIO!" Monica berrou.

A situação chegou a um impasse. 

Monica não se atreveu a demorar muito tempo porque estava preocupada com o estado de Jeanne. Ela se virou e bateu naquele relógio de parede.

Clunk!

Um estrondo alto ecoou por todo o salão, assustando Alexander.

Monica se sentiu tonta. Ela suportou a dor na cabeça e gritou para Alexander mais uma vez, "Alexander Lawrence! Faça sua escolha agora!"

Alexander encarou a garota friamente e disse com um tom sério, "A partir de hoje, Jeanne Lawrence não é mais minha filha. Ela nunca mais usará o nome Lawrence!"

Deixando suas palavras furiosas para trás, Alexander saiu.

Jasmine sorriu e seguiu seu pai.

Monica tirou Jeanne das mãos dos empregados, mas Jeanne mal conseguia ficar em pé.

"Jeannie!" Monica a ajudou a se levantar.

Jeanne mal conseguia manter a visão clara e usou todas as suas forças para dizer: "Obrigada, Monica. Obrigada por salvar minha vida."

"Não há necessidade de agradecer. Se você morrer, eu também não vou querer viver." Os olhos de Monica estavam vermelhos. Ela se agachou para carregar Jeanne nas costas. 

"Aguente firme, eu vou te levar ao hospital."

Jeanne se apoiou no ombro de Monica com fraqueza. Seu ombro esguio provavelmente foi o maior calor que ela sentiu em toda sua vida.

Monica carregou Jeanne para fora da porta. Lá fora, ainda chovia bastante. 

Por algum motivo, o carro de Monica havia sumido e ela havia perdido seu telefone durante ou antes do confronto com Alexander.

Contudo, ela não se atrevia a se demorar porque Jeanne estava vivendo seu último suspiro.

Ela carregou Jeanne pela chuva e a pé. Mesmo quando seus pés começaram a sangrar, ela não ousou parar.

Suas lágrimas se misturaram com a chuva em seu rosto. "Jeannie, não morra em meus braços. Eu vou te levar ao hospital..."

"Monica, estou bem", Jeanne a consolou.

Ela jurou a si mesma que ficaria viva e pretendia cumprir a promessa.

Monica conseguiu levar Jeanne ao hospital, mas antes que Jeanne pudesse se recuperar, Alexander enviou seus empregados ao hospital. 

Os empregados chegaram com uma passagem de avião e foram encarregados de enviar Jeanne para longe de Harken. 

A partir daquele dia em diante, Jeanne desapareceu de South Hampton City e de todo o Harken, e ela tinha apenas 18 anos.